sexta-feira, 31 de maio de 2013

Resenha: Névoa - Vários Autores


Sinopse: Quando a bruma toma conta do olhar, é impossível não temer o que é invisível aos olhos. Os medos mais secretos tomam forma e o irreal torna-se real. Névoa traz histórias aterrorizantes, contadas por escritores que temem o desconhecido e transcreveram para o papel os temores que os acompanham desde sempre. Se as tramas deste livro assustam quem as escreveu, o que elas farão com leitores desavisados como você? Deixe-se envolver por esta densa névoa, tendo plena consciência de que não sairá dela a mesma pessoa.

Palhaços, sonhos lúcidos, sangue, morte, espíritos vingativos, lugares abandonados, chuvas torrenciais, escuro, árvores mortas, frio, medo, seres sobrenaturais, insetos, demônios, mentiras, vingança... tudo isso e mais um pouco encontramos em ''Névoa - Contos sobrenaturais, de suspense e de terror'', uma antologia organizada por Cristiana Gimenes e publicada pela editora Andross.

Como se trata de contos, não vou me ater a enredos. Encontramos os mais diversos contos mostrando a singularidade de cada autor. Encontramos vampiros e muito sangue. Encontramos legistas pervertidos e bonecos enfeitiçados.

O terror é algo que por mais que existam pessoas que abominam o gênero, sempre desperta interesse em qualquer público. A curiosidade pelo que mexe com a mente e com os sentidos, a descoberta de um mundo sobrenatural e leve queda pelo mórbido nos faz reconhecer o talento de tantos autores iniciantes que deveriam sim investir em algo maior.

Me surpreendo com a capacidade de criar algo autêntico e único em um mundo onde a tecnologia e a troca de informações nos é tão acessível. Mas os autores da antologia mostraram bastante criatividade e consegui captar vários textos excelentes, é impossível não escolher seus preferidos e aqui está meu ''top 10' (por ordem de lei:tura):

1º - Moinho - Clovis de Moraes Farjado
2º - O Vampiro da Rua São Francisco - Eliane Verica
3º - Uma Noite no Sanatório Waverly Hills - Mady Porto
4º - Devoradores: Tributo aos grandes antigos - Felipe T. S
5º - América, Maldita América - Giulia Alzuguir
6º - Marcha Fúnebre - Mateus Mourão
7º - A Seita Macabra - Gabriella Lara Silva
8º - Sobre Triângulos Negros - Ramón da Silva
9º - Visita Especial - Davi Paiva
10º - O Legista - K. Melquíades


Recomendo demais a antologia. Agradeço à Gabriella por ter me presenteado com o livro e ter me apresentado a autores tão talentosos. 4 estrelas.

terça-feira, 28 de maio de 2013

[Lançamento] Rainha - Paul Law

Hey pessoas! Hoje trago um lançamento de mais um autor parceiro do blog: Paul Law (autor de ''Ester'', já resenhado aqui no blog) , e o livro em questão é ''Rainha'' que será lançado no dia 01/06. Confira capa, sinopse e demais dados abaixo:


Sinopse: Bruno Vieira Junior é um ex-delegado que após a morte da sua noiva torna-se um recluso detetive alcoólatra. Contudo, sua vida se transforma depois de ser contratado contra vontade por uma peculiar adolescente. Intrigado, ele aceita investigar o verdadeiro passado da cliente, entrando numa surpreendente trama, cheia de ação e mistério.
Compre o ebook: Amazon 
Confira o 1º Capítulo
Confira o Blog 

Assista também o book trailer:


Em breve resenha aqui no blog, fiquem ligados!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Resenha: Outubro - Kamile Girão


Sinopse: "Você sabe o por quê das folhas caírem no Outono?" Shau desconhecia a resposta para aquela pergunta - até conhecer Kaero Morgan. E, naquele outubro de 2004, ele encontrou, no auditório da escola, aquela que lhe mostraria não apenas a razão pela qual as folhas abandonam suas árvores durante a estação que precede o inverno, mas que, também, ensinaria o rapaz de roupas largadas e desânimo constante a virar um homem. Outubro, 2013. Para Felipe Alves, seria somente mais um dia de árduo trabalho no hospital. Contudo, ao entrar no quarto 706, o jovem enfermeiro percebeu que aquele não seria um mês comum. Após tantos anos, a vida finalmente lhe deu a chance de retificar os erros do passado e de livrar-se, finalmente, das folhas velhas que persistiam na árvore da sua vida.

''Se duas pessoas estão destinadas a ficar juntas, eventualmente eles encontram seu caminho de volta.'' - Gossip Girl. 

Deixo bem claro para todos que conheço que não acredito em amor a primeira vista... creio que o que acontece é uma atração muito forte entre duas pessoas. Amor é algo que vamos construindo, vamos aprendendo com outro a explorar e usufruir de um sentimento tão belo e muitas vezes tão triste. 

''Nesse momento, o vento, um pouco mais forte, desprendeu a isolada folhinha de sua árvore, levando-a para o chão. Papai, segurando a minha mão, caminhou comigo até o lugar onde a folha havia caído e pegou-a, depositando-a na minha palma logo em seguida.'' Pág. 13

Kamile mostra em ''Outubro'' a construção de um amor que começa por uma atração repentina. Shau vê sua vida mudar quando seus olhos cruzam com a imagem de Kaero e toda a sua definição de beleza é reconsiderada. Kaero é professora de música, delicada e gentil. Enquanto Shau é o modelo masculino do desleixo... nunca precisou cuidar muito do visual e tem seu estilo como algo que a sociedade diz ser estranho. 

Kaero e Shau passam a se conhecer e descobrir coisas importantes e apaixonantes um no outro, mas uma viagem planejada para dar um futuro melhor a Kaero e torná-la uma grande pianista pode atrapalhar o começo de uma bela história de amor. 

Alguns anos se passam e um enfermeiro entra no quarto de uma paciente para a medicação... digamos que a atração ocorrida há algum tempo atrás torna a acontecer e encontros e desencontros amorosos nos são revelados. É assim o reencontro de Kaero e Shau. Um casal que um dia tentou dar certo. 

É assim que Kamile nos conta o desenrolar de Kaero e Shau, em uma narrativa cuja ordem não segue uma linha cronológica e alterna entre 3ª pessoa com narrador onisciente e 1ª pessoa, através de um diário de Kaero. 

Dissertando temas que a juventude com certeza é alvo, como: sexo, depressão, desencontros amorosos e desilusões, escolhas de futuras carreiras e empregos, a autora dá vida a personagens cativantes e cheios de dúvidas em relação à vida. As comparações como ações simples da natureza também tem seu lugar. A autora remete o simples cair das folhas no outono com mudanças palpáveis em nossas vidas. 

''Descobrir que era bom pelo menos em uma coisa fizera-o querer ser melhor nas outras. Antes de Kaero, ninguém o elogiava. Não tinha nenhum ponto positivo: era apenas um moleque feio; mal arrumado; que namorava, milagrosamente, a menina por quem se apaixonara ainda na infância, mas que, também, era por ela desprezado. Um moleque cheio de conflitos psicológicos, medroso, covarde, egoísta, criticado por qualquer uma de suas características. Não queria mais ser assim. Almejava crescer, ser bom em qualquer área que escolhesse.'' Pág. 95-96.

Outubro é um livro lindo. Bastante triste, poético, realista, encantador. Recomendo demais! 4 estrelas. Rosalva, obrigado pelo presente!

Música-tema: Nirvana - About a Girl:


Confiram o site da Kamile | Compre: Editora Literata | Adicione a sua estante: Skoob

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Resenha: A Máquina de Madeira - Miguel Sanches Neto


Sinopse: Uma enorme máquina taquigráfica chega ao Rio, vinda numa embarcação do Recife. Quem acompanha o desembarque é seu criador, o padre Francisco João de Azevedo. A máquina é uma das revoluções do século XIX. Com ela, sermões e discursos poderão ser transcritos com agilidade até então desconhecida, como que num registro do próprio progresso brasileiro. É um momento de ebulição nas ciências nacionais. Dezenas de inventores se agrupam no prédio da Exposição Universal, que receberá a visita do Imperador D. Pedro II e de investidores do mundo todo. Nas ruas, a expectativa de um salto industrial e econômico para o Brasil. Neste romance histórico, o escritor Miguel Sanches Neto usa a trajetória do padre Azevedo, precursor da máquina de escrever, para narrar a formação da identidade de um país.

Padre Francisco João Azevedo enxergava um futuro para o Brasil. Além de enxergar, ele ansiava... apesar de a ignorância e a limitação de evolução serem gigantes na população de Recife do século XIX.

''- Tudo que é bom vem de fora. A família real veio de onde? Até a mão de obra para as lavouras e para os demais serviços é da África ou da Europa. Não precisamos perder tempo para fazer o que os outros países fazem melhor. É só trazer para cá. De onde é a família do senhor?
- De Portugal.
- Não estou dizendo? O brasileiro não existe. Eu não sou brasileiro, o senhor também não. Os negros que trabalham aqui são menos brasileiros que nós. Não é o caso dos índios, estes talvez até sejam brasileiros, mas desconhecem a civilização. O que temos de bom vem de fora. Nós somos só um porto que recebe pessoas e produtos estrangeiros. Trabalho aqui a quarenta anos. Sei o que falo.'' Pág. 18

Dividida em duas partes distintas, o livro é narrado por perspectivas diferentes de um futuro fora do Brasil. Na primeira parte denominada Londres, o autor narra em primeira pessoa a chegada do padre no Rio de Janeiro para uma exposição que terá assim como outras invenções, sua recente e orgulhosa criação: Uma máquina de escrever, que se tivesse um grande prestígio na exposição, teria destaque em outra exposição em Londres (que era de fato, o objetivo do padre). 

Não conseguindo o sucesso desejado, e o devido valor por conta do império, João Azevedo vê seu sonho ficando um pouco mais distante. Pergunta: o sonho de um Brasil melhor ou o sonho do prestígio de seu invento? Creio que ambos. 

''Era aquele o momento de glória tão longamente aguardado? Anos de trabalho para uns minutos de reconhecimento frio? Imaginava que o imperador, cultuado por sua curiosidade, fosse querer sentar-se a máquina e escrever alguma coisa. Não era autor de sonetos? Poderia tentar compor um deles com o auxílio do inventor. Vendo o grupo se mover, em conversas sobre vários assuntos, que nada tinham a ver com os inventos, o padre sentiu uma vergonha muito grande. Vergonha de ter imaginado que sua máquina produziria admiração e que todos gostariam de falar com ele, para conhecer como chegara àquela ideia e os melhoramentos que pretendia fazer para tornar a escrita mais veloz.'' Pág. 81

Na segunda parte denominada Nova York, o autor mostra a desvalorização da nacionalidade mostrando o quanto o Padre foi enganado até perder sua criação para um americano que ''criou'' o primeiro modelo de máquina de escrever em estilo industrial, dando ao que nós conhecemos hoje o grande sucesso na época. 

Cheio de tapas na cara e com um modelo de escrita onde o leitor questiona uma quantidade infindável de ''se'', Miguel Sanches Neto nos conta e nos mostram personagens como ele mesmo diz: de um Brasil que queria dar certo. 

Senti que lia dois livros parecidos devido a troca de partes. A primeira é narrada em terceira pessoa, sendo que a segunda é narrada maioria em primeira pessoa. O plano de fundo também ficou bastante diferentes, tendo em vista que a personagem almejava coisas parecidas mas diferentes ao mesmo tempo.

Percebi o que mais o autor quer nos passar: a tamanha passividade dos brasileiros ao deixar serem ultrapassados por outros países. Uma crítica cem por cento honesta, visto a grande potência que é hoje nosso país. (para os que levam tudo ao pé da letra: momento irônico). 

Apesar do autor ter escolhido a máquina de escrever para ilustrar o atraso e subestimação que o brasileiro tem com ele mesmo, exemplos não faltam para percebermos o quanto o Brasil começou atrasado, e o quanto essa série de fatores culminaram para hoje sermos o que somos. Refleti muito com o decorrer da leitura e a pergunta sem resposta que deixo no ar: ''E se tivesse sido diferente?''. 3 estrelas. Recomendo!

Adicione a sua estante: Skoob 

quinta-feira, 23 de maio de 2013

[Lançamento] O Hospedeiro - Juliana Walker

Oi pessoal! Trouxe hoje um lançamento que parece ser ótimo. Estou falando do livro ''O Hospedeiro'' da autora Juliana Walker. Já li ''Finitus'' da autora e adorei, favoritado e tudo. ''O Hospedeiro'' tem tudo para ser ótimo também! Confiram abaixo, a sinopse do livro e onde comprar. A resenha dele você confere aqui no blog em breve. Take a look:


Sinopse: Em uma pequena vila cercada por uma floresta, que traz maldições jamais imaginadas... O mal será invocado!Ele está prestes a invadir definitivamente a terra e para que isso aconteça precisa de um corpo puro e santo.
Luke, o missionário, foi escolhido e sua luta para descobrir que existe algo mais entre o céu e terra o coloca em contato com um mundo novo.
Um mundo cheio de criaturas maléficas jamais imaginadas, onde nem tudo que parece verdadeiro realmente é.
Luke tem sua fé testada e se apaixona por uma Maya, Sila, um ser maligno da floresta. Lutando contra seus sentimentos e tendo diante de seus olhos tudo aquilo que nunca julgou existir, Luke não teme os demônios pois sabe muito bem lidar com eles.

Adicione a sua estante: Skoob
Confira a resenha de ''Finitus'' + Entrevista com a autora, clicando aqui

terça-feira, 21 de maio de 2013

[Lançamento] ''As Freiras que só ouvem Rock'' - Manoel Flor dos Santos

Com um título bastante peculiar que mexe com a imaginação e a curiosidade do leitor, Manoel Flor dos Santos lança ''As Freiras que só ouvem Rock'' pela editora Dracaena. Confesso que estou super curioso para ler, o livro tem uma proposta interessante, uma capa com uma disposição de cores caprichada e é o romance de estréia do autor. Confira capa, sinopse e conheça um pouco o autor:


Sinopse: Em primeiro lugar, o título advém de três jovens moças que participam de um concurso de bandas e adotam o nome de “As freiras que só ouvem rock” para o grupo. Este concurso é celebrado numa festa à fantasia, onde elas vestem-se de freiras e depois participam do evento dançando e cantando músicas de rock. Mas tudo deixa de ser alegria quando na noite da festa, os seus respectivos namorados sugerem que todos eles roubem um bar.
O livro, na forma de romance, conta a história de seis jovens de classe média, que se adentram no mundo dos roubos. Eles tiveram boa educação, cursavam uma boa faculdade: motivos de sobra para serem pessoas sensatas; no entanto, subitamente, decidem cometer alguns crimes por puro divertimento. Mas não saíram impunes dos atos cometidos; a partir do momento em que escolheram cometer tais delitos, passaram a ser perseguidos pela polícia e por todos aqueles que se sentiram lesados. A vida deles se tornou em uma assombrosa corrida contra a prisão, sofrendo as maiores humilhações, as quais a maioria das pessoas não enfrentaria durante uma vida inteira.

Manoel Flor dos Santos, por ele mesmo: É evidente que para sermos grandes escritores, antes de mais nada, devemos ser grandes leitores; é isso que fui desde a minha infância. Apaixonado pelas ciências exatas, pois não seria por acaso a minha formação superior em Química, também pude ser um apreciador da literatura e logo percebi que poderia estabelecê-la como uma profissão. Os romances sempre me encantaram e é o meu estilo literário favorito, então pude um dia enfim concretizar um trabalho dessa vertente. Agora realizo um sonho de compartilhar com os leitores essa inusitada história de ficção.
Compre esse lançamentos pelos links: Amazon | Cia. dos Livros
Fiquem de olho, em breve teremos resenha aqui no blog. Até o próximo!

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Resenha: A Lista Negra - Jennifer Brown


Sinopse: E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas. A lista negra, de Jennifer Brown, é um romance instigante, que toca o leitor; leitura obrigatória, profunda e comovente. Um livro sobre bullying praticado dentro das escolas que provoca reflexões sobre as atitudes, responsabilidades e, principalmente, sobre o comportamento humano. Enfim, uma bela história sobre auto-conhecimento e o perdão.

Onde achamos que teremos apoio é onde menos vamos encontrá-lo.  

É muito difícil fazer uma resenha ou expressar uma opinião quando você lê um livro e odeia. Pior é quando você ama o livro e não consegue transformar os sentimentos em palavras. ''A Lista Negra'' me comoveu tanto que por mais que eu escreva mil folhas, eu nunca conseguiria expressar o impacto que o livro me causou. 

Trata-se sim de bullying, e por mais que você ache que esse assunto esteja batido, manjado e muito explorado, Jennifer Brown lhe mostra que a muito ainda do assunto para explorar. 

Valerie nunca imaginaria que uma brincadeira tomasse proporções que mudariam a sua vida e a vida de todos a sua volta de maneira drástica. Nick, seu namorado, costuma ser sua válvula de escape. Parecia ser a única pessoa que lhe entendia em meio a um ensino médio de pessoas intimidadoras que tratam seus sentimentos como lixo. Ou em meio a um lar atribulado por brigas entre os pais. 

Colocar o que você sente para fora parecia ser um grande desafio para o casal. Através de uma lista onde eles colocavam todas as coisas podres e pessoas merecedoras de ódio foi a forma que Valerie e Nick encontraram para descontar a raiva... ao menos foi o que Val pensou que seria. 

Digamos que no ápice de bullyings cometidos, acontece algo que Valerie não previu: seu namorado surta, e acaba com a vida de boa parte das pessoas pertencentes da lista e suicida-se, tornando Val a principal suspeita viva da chacina que matou (obvio) e deixou vários de seus ''colegas'' gravemente feridos. 

Em meio a todo o caos cometido por Nick, Val acaba sendo atingida pelas balas disparadas pelo namorado ao tentar salvar uma colega, ou tentar salvar o colégio. 

Como se não bastasse ser acusada por 99% do colégio, perder seu namorado, levar um tiro, perder a confiança dos amigos, as acusações surgem também em casa, onde Valerie achava que encontraria apoio. Perdida emocionalmente, ela encontra (ou tenta encontrar) apoio em um dos personagens mais legais e cativantes de todos os tempos: seu psiquiatra. Doutor Hieler além de ser carismático e engraçado, foi o único (ao menos no início) que acreditou em Val, e isso (a injustiça) deixa o leitor com muita raiva!

''Escondia a raiva que crescia dentro de mim. Raiva dos meus pais por não me apoiarem. Raiva do Nick por estar morto. Raiva das pessoas da escola que atormentavam Nick. Raiva de mim mesma por não perceber que aquilo iria acontecer. Aprendi a conter a raiva, a força-la para o fundo da minha cabeça, esperando que ela dissolvesse e desaparecesse. Aprendi a fingir que a raiva já tinha passado.'' Pág. 116

Jennifer narra através do ponto de vista de Valerie, jogando flashbacks no decorrer da narrativa, fazendo com que ele (o livro) não entre em uma linha temporal, mas esse modo inteligente de escrever foi a peça chave para inserir o leitor, cativar e convencer o leitor para esse apelo em forma de romance. 

É um livro muito forte por tratar de temas muito fortes. Os personagens principais tem uma queda pelo mórbido e a morte ou o suicídio é bastante discutido, o que é um tema bastante peculiar ao ser falado (ou passado, no caso de um livro) para o público jovem, onde a presença de pensamentos suicidas e depressivos são bem marcantes e acentuado. É preciso saber falar. 

''Mas, então, eu chegava em casa, ia para a cama e começava a pensar naquilo. Sobre o lance do suicídio. Eu estava segura? Será que houve mesmo um tempo em que eu poderia ter me suicidado e nem sabia disso? E eu passava cerca de uma hora, meu quarto ficando escuro, pensando em que diabos tinha acontecido para me tornar tão incerta sobre até mesmo quem era eu. Porque ''quem é você'' deve ser a pergunta mais fácil de ser respondida, certo? Mas, para mim, há muito tempo não estava sendo fácil responder. Talvez nunca tenha sido.'' Pág. 29

Achei bastante parecido com o que é proposto em ''Precisamos Falar Sobre o Kevin'' (Igualmente bom) da autora Lionel Shriver, sendo que a linguagem de Lionel é bem mais adulta. Digamos que ''A Lista Negra'' seja uma versão jovem. São muitas semelhanças: o efeito cronológico, a chacina no colégio, a indagação de o que levou a chegar nesse ponto, sendo que as estórias são completamente diferentes. Enquanto em uma a autora fala sobre superação, o outro fala sobre culpa.

Se você leu até aqui já deve saber que eu recomendo demais a leitura. Acho que as escolas deveriam adotar esse livro para a grade curricular. Melhoraria a dinâmica professor/aluno, problemas de casa poderiam ser melhor debatidos para um melhor desempenho no colégio e o respeito entre as pessoas se tornaria palpável.
5 estrelas gigantes para um livro repleto de emoções.

Adicione a sua estante: Skoob

domingo, 19 de maio de 2013

[Lançamento] Carminha Morais lança o livro ''Onde anda você?'' em Junho!


Sinopse: Quem nunca se encantou com uma personagem de novela ou com a atriz que fazia o papel? A teledramaturgia causa esse fascínio na nossa sociedade há alguns anos, desde que a televisão passou a ser objeto de suma importância nos lares brasileiros, mesmo os mais carentes. Porém, o mais interessante é quando a vida nos surpreende e nos mostra que há muito mais do que ficção naquilo a que assistimos todos os dias. Histórias reais que se cruzam e servem de modelo para tramas encantadoras. Tragédias pessoais se cruzam com fatos reais e uma incrível história nasce trasbordando emoção e mostrando-nos como é importante o perdão.


quinta-feira, 16 de maio de 2013

''Herdeiro dos Sonhos'' - Matheus Borges Teixeira

Hoje trago para vocês conheceram mais um livro nacional. Em breve posto a resenha dele aqui no blog! 


Sinopse: Após a tempestade, um rapaz acorda na praia completamente sem memórias. Enquanto tenta descobrir quem é e o que ele tem que fazer, suas ações irão revelar segredos escondidos por milhares de anos. Por conta de uma seqüência de acontecimentos misteriosos e sombrios, a vida de várias pessoas mudará para sempre quando se envolverem no despertar do mais sombrio e profundo segredo da cidade. Herdeiro dos Sonhos é uma narrativa fantástica que leva o leitor a ponderar sobre a dificuldade de encontrar seu lugar no mundo. Aos poucos o autor mostra como a vida de diversas pessoas pode mudar completamente ao se envolverem e como elas podem se complementar. Pode não haver um propósito nas dificuldades que acontecem, porém a verdadeira força e capacidade de fazer a diferença está no modo de enfrentá-las, pois não importa o que você é, mas sim o que pode fazer.
O autor:

Foto -Matheus Borges Teixeira 

Matheus escreve desde os dez anos de idade. É natural de Ribeirão Preto mas já morou em diversas cidades no estado de São Paulo, pois há uma maldição que impede o de morar mais que cinco anos em uma cidade só. Apesar de em 2004 ter ingressado no curso de Engenharia de Computação, sua paixão pelo fantástico e literatura não foi abandonada. Na verdade, "Herdeiro dos Sonhos" foi escrito durante seu curso na universidade. Além de engenheiro e escritor, o autor é também é apaixonado por culinária e atualmente reside na Europa com sua cachorra, uma vira-lata adotada das ruas de São Carlos, a quem deu o nome de Tara. Matheus acredita que a vida é uma constante mudança e espera ansioso que novas oportunidades lhe virão.




Saiba mais sobre o livro no Site

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Resenha: O Eterno Barnes - Salustiano Luiz de Souza


Sinopse: Doutor Barnes, um famoso neurocirurgião, começa a desenvolver na Universidade onde trabalha uma pesquisa científica tentando transformar os dados do cérebro em arquivos de dados, codificando-os de modo que possam ser copiados. Com o avanço da pesquisa, acaba conseguindo copiar para o computador todos os dados de memória que formam o ser humano, como suas experiências, suas emoções, suas recordações, enfim, sua vida. Deslumbrado com a descoberta, começa a perceber que estes arquivos possuem uma estrutura totalmente diferente e uma sinfonia divina, e começa a ficar obcecado pela ideia de que seja possível copiar cérebros de um paciente para outro. Ao contrário do que deveria ocorrer, Barnes, cada vez mais, esconde suas pesquisas, pois seu objetivo passa a ser implantar seu próprio cérebro em outro paciente, mais jovem e sadio, pois está acometido de uma séria doença. Busca, desta forma, alcançar a tão almejada eternidade. Para isto, não mede as consequências de seus atos, que passam a ser justificados pela ambição que lhe domina. Conseguirá Barnes o seu intento?

Aqui o desespero e a ganância de poder se encontram tão natural quanto o encontro do sol com o mar. 


Um livro classificado como ficção científica, mas que poderíamos muito bem defini-lo como policial. A escrita de Salustiano chamou minha intenção desde as primeiras folhas. Com uma essência filosófica, ele constrói personagens humanos e complexos dentro de uma universidade onde a hierarquia é palpável. 

Tudo começa por e giram em torno de Barnes, um famoso neurocirurgião com uma doença crônica que enxerga um futuro de possibilidades de crescer em seu trabalho, mas vê o fio da sua vida prestes a ser cortado devido a doença. 

''Este invólucro chamado corpo, este espectro que encerra dentro de si uma centelha chamada vida, é um mero joguete quando nos falta a vitalidade. E passa a ser depositado onde os outros querem.'' Pág. 16
Estudando profundamente a mente, Barnes descobre como armazenar a essência cerebral em dispositivos eletrônicos, no caso um computador. O que Barnes achava que seria a solução de seus problemas, acabou virando seu tormento, pois por não ter domínio de informática, ele acaba tendo que pedir ajuda a James que ao descobrir a grandiosidade do que Barnes descobriu, encontra nisso um meio de subir na vida e alcançar o sucesso tão desejado. 

''Meu sorriso, minha voz, meus pensamentos, meu eu, tudo em mim é único. E esta singularidade a morte ceifa e se acaba para todo o sempre. Mas agora isto acabaria. Pelo menos para si. Detinha a chave da eternidade. Perpetuar-se-ia no tempo não com um mero perpassar de genes, mas como um eu absoluto. Terrível e assustador. Poderoso e perigoso.'' Pág. 61
Achei a temática muito inovadora (pelo menos para mim, foi) e as partes finais do livro, lembram um YA muito famoso que eu não vou falar pois estragaria a surpresa. Adoro livros que tenham um certo foco na medicina e ''O Eterno Barnes'' mostra partes bastante realistas sobre uma rotina em hospitais e ele não deixou a desejar. A obsessão por juventude e eternidade nos faz cometer loucuras.  

No decorrer da trama, Salustiano disserta sobre vários assuntos: religião, medicina, fé, morte/vida, trabalho, amizade... O autor constrói um médico admirado e respeitado por todos mas atormentado e louco por dentro. A narrativa é tão instigante, que o livro de 240 páginas foi lido por mim muito rápido, é uma leitura super válida! Como disse no inicio, o livro poderia muito bem ser considerado um policial. É cheio de investigações, pois os personagens parecem desconhecer a ética profissional e a inteligência que lhes é dada é usada de uma maneira não muito correta se formos olhar através de uma sociedade certinha. Recomendo demais! 5 estrelas

''E será que estamos aqui? Ou o aqui é apenas uma projeção de nossa mente. Talvez o feto não imagine que haja vida aqui fora, pois a vida para ele se resume tão somente à ligação com o cordão umbilical. Talvez por isso tenhamos tanta dúvida se existe vida depois desta. Até porque nosso cordão de prata, que nos liga ao corpo astral, seque é visível, e a grande maioria acredita que seja mera ficção.'' Pág. 115 
Lembrando que Para cada 100 pessoas que curtirem nossa página no facebook ou compartilharem o booktrailer o autor doará um livro para a biblioteca de uma escola!
Compre: Novo Século | Confira o 1º Capitulo

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Resenha: O Diário de Litat - Claudemir de Oliveira


Sinopse: Bnus e Qeb cresceram no mesmo vilarejo, brincando entre pedras e ruínas e, quando jovens, prometeram ficar juntos sempre. Suas vidas estavam entrelaçadas pelo sentimento mais puro do ser humano: o amor. No entanto, seus sonhos foram ceifados por divindades que os colocaram em caminhos opostos. Os olhos de Bnus, que antes brilhavam de felicidade, se tornam obscurecidos pelo Mal. Qeb, por sua vez, passa a lutar para manter e propagar o Bem pelos vilarejos. Mas embora tenham que se enfrentar por um propósito divino, o amor que os unia prevalece… Litat é o descendente desta história, e nasce com dons herdados desde o tempo de seus avós. Ele terá o livre arbítrio de usá-los, porém, sua omissão poderá acarretar danos ao seu povo.

Um livro que mostra que o amor ao próximo não está extinto. 

É surpreendente alguém falar sobre o amor nos dias de hoje sem parecer clichê ou cansativo. Claudemir intercala isso com aventuras e decepções, o que é mais surpreendente ainda. 

Comecei a leitura achando que seria um livro onde as aventuras predominavam (devido a capa) ou um amor impossível (devido a sinopse). Podemos dizer que é um pouco de cada, mas o romance romântico com certeza predomina. 

Primeiramente, conhecemos Bnus e Qeb: um casal já tinha um futuro traçado. Sonhavam em construir uma família, uma casa... esses sonhos foram tirados por entidades superiores que viram na bondade e no amor de Qeb, uma chance de salvar a humanidade do mal. 

''De séculos em séculos os deuses da chamada harmonia natural da terra, o Deus do Bem e o Deus do Mal, escolhiam seus representantes perpetuando dessa forma o eterno duelo entre o bem e o mal'' Pág. 16. 

Desnorteado após esse incidente ter separado o que um dia Bnus achava que seria um grande amor, ele sai em busca de um escape para sua vida que não mais tem sentido.

Após vários acontecimentos que se eu contasse perderia toda a graça na leitura, Bnus encontra uma solução para conseguir ser imortal como Qeb e viver com ela para sempre... mas sua escolha é se tornar do mal e servir ao Deus do Mal, se tornando assim, inimigo natural de Qeb que serve ao Deus do Bem.

A primeira metade do livro nos mostra a estória desse casal, mas isso é apenas a introdução da vida de Litat que é descente de Bnus e Qeb. Confesso que demorei bastante para ler a primeira parte, mas a partir da metade do livro, Claudemir consegue encontrar um novo ambiente para a trama e é aí que o dono do Diário: Litat é nos apresentado, e a leitura flui bem mais rápido. Falando em rapidez, o livro é dividido em capítulos pequenos, o que não minha concepção de leitura, flui bem mais rápido.

''O desejo de seus corpos só era limitado pela esperança de em breve estarem juntos para sempre, e assim, se abraçavam, se beijavam, sentindo uma mescla de liberdade e prisão, como um pássaro sem asas, com seus pés ao chão e seus pensamentos aos céus''. Pág. 22 

A narrativa é bastante poética e você tira passagens lindas no decorrer do livro. Recomendo para os que gostam de romances românticos, mas creio que quem curte aventura ou algo mais juvenil irá gostar igualmente. 3 estrelas.

Adicione a sua estante: Skoob 

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Entrevista com a autora Keila Gon

Oi gente! Hoje eu trago para vocês uma entrevista com uma autora que além de muito talentosa, é incrivelmente simpática! Se você ainda não conhece Keila Gon, corra em uma livraria (ela não vai estar lá, mas seu livro ''Cores de Outono'' ~resenha aqui~ vai estar com certeza). Se você já conhece Keila, conheça-a um pouco mais nas perguntinhas abaixo, enjoy:





1) Keila Gon em 5 palavras:

Menino.... difícil isso (risos) vamos ver....

“Emotiva, distraída, amiga, teimosa... (hummmm)... apaixonada”.

2) O que é mais divertido e mais chato na hora de escrever?

Escrever é divertido! (risos) Sério... é muito bom ler o que você escreveu com olhos de leitor ahh... O chato... é quando você está no meio de uma cena super legal e alguém te interrompe. Tipo... “Vem comer”, “Vamos sair?”, ou “ Acabou a Coca-cola?” (essa é uma alfinetada especial para meu marido hihihi)

3) Tendo em mente que seus personagens saiam do papel, qual deles você com certeza ficaria mais amiga? 

Rose. A Rose de verdade existe e é minha melhor amiga desde sempre!! Beijos ROSE!!!! Mas de um que não existe... acho que a Aristela. Ela foi baseada em uma outra amiga, mas acabou ficando muito diferente e acho que essa amizade renderia longas horas em conversas na sua cozinha no palacete. (risos)

4) Melissa é desastrada e o mundo tende a deixá-la em maus lençóis, quando você criava a personagem, você se espelhou em alguém?

Quase todos os personagens foram criados a partir de pessoas que conheço. Com a Melissa principalmente... ela tem um pouco de várias pessoas, inclusive, eu. (risos) Mas, principalmente, foi baseada em minha irmã... já seu lado desastroso em uma gggrrraaannndddeeee amiga, posso citar o nome porque estávamos falando disso recentemente e morremos de rir... não é, Danielle Ziggiatti? Sabe aquela pessoa propensa a desastres... pois é ( tenho uma memória dela caindo num laguinho de peixes... sabe aqueles decorativos?... hihihihi ) Mas não é só a falta de jeito e as coincidências infelizes... acho que a base da “Teoria do Caos” da Melissa é a negligencia com o perigo. E essa negligência infelizmente veio de mim (risos).

5) Falando sobre as continuações de ''Cores'', o que os leitores podem esperar? 

“Cores” foi uma introdução a estes personagens, suas vidas, suas histórias e encontros... A magia de “Cores” ainda é o romance e com ele, foi apresentado um outro mundo. Fantasioso e realmente mágico. Bom... não queria tirar o foco dos personagens, nem assustar o leitor ao enfiá-lo em um mundo surreal... e espero ter dosado isso... pois a ideia era focar Vincent e Melissa e gradualmente convencer os leitores que esse outro mundo poderia mesmo existir. Em “Sombras da primavera” a continuação de “Cores”, teremos o desenrolar desse romance, as dúvidas e medos de seus personagens e, principalmente, suas escolhas. Mas o mundo mágico, que já é familiar ao leitor, vai ganhar ênfase... com novos personagens e lugares. Pois é chegou a hora de explorar a outra magia de “Cores” (risos). E uma dose a mais de aventura é necessária para desenrolar a trama...

Ui... já falei demais (mais risos)

Muito bem... quem leu “Cores” pode encontrar um pouquinho de “Sombras” no finalzinho do livro e para os “muito curiosos”, deixei um trecho do terceiro capítulo no blog de “Cores”, http://coresdeoutonokeilagon.blogspot.com.br/2013/04/presente-no-dia-do-livro.html ... Por isso vou parar de falar (risos) Enjoy : )


6) Acho que seu livro pode ser classificado como uma fantasia romântica, ou drama... você consegue se imaginar escrevendo algo totalmente diferente? (ex: policial, thriller ou auto ajuda?)

Acho que “Cores” entra no gênero Romance ficção/ fantasia. Mas quando escrever outro livro, e espero que isso aconteça logo...(risos) com certeza vai ser uma mistura de gêneros, mas sempre vai partir do Romance. Não dá gente... adoro histórias de amor (mais risos).

7) Uma das personagens que mais amei (acho que não tem como não amar) foi Alice. Nas sequências de ''Cores'' posso esperar um foco maior nessa personagem, ou Melissa e Vincent vão roubar a cena? RS

O foco sempre vai ser Melissa e Vincent... mas em “Sombras”, ALICE VAI ROUBAR A CENA.... (risos), muitas vezes. E isso vai ser amplificado no terceiro livro (Luz do inverno)

8) Sobre o título de seu primeiro livro, qual foi o motivo principal (aquele que você pensou: é esse título, com certeza!) na hora da escolha?

Amo as cores do outono, sério. A luz nesta época do ano é incrível!!! E pra quem curte um verdinho (tradução: a natureza e sua beleza ), como eu, não há época melhor! Comecei essa história curtindo “meu” outono e tinha que ter um pouco de “Keila” no nome (risos).
Mas vamos à explicação:
Comecei a pensar nessa história em uma viagem... estava muito ligada na nostalgia e paisagens daquele lugar... Além disso, esse nome era o símbolo perfeito de toda a história em minha cabeça.

Adoro simbologia, metáforas... e delas nasceram a mensagem da trilogia. (gente que fique claro que não sou “expert”, ok, sou apenas apreciadora hihihi)

Inspirada na “Teoria das Cores” de Goethe, (onde as cores seriam o resultado da interação da luz com as sombras/escuridão), crenças de povos antigos sobre a Roda do ano ( que divide o ano e suas estações em começo, meio e fim – primavera, verão e inverno * qualquer semelhança com o vitral dos Von Berg não é mera coincidência*), surgiram...

Cores- esperança

Sombra- dificuldade

Luz- alegria/felicidade

Outono – começo do fim *sei que vocês vão falar... deveria ser verão... bom , mas é aqui que entra a “Keila” e não poderia excluir meu outono (muitos risos)
Primavera – começo
Inverno – o fim

Cores de outono - a esperança de recomeçar em caminhos que parecem tristes.
Sombras da primavera – as dificuldades de um começo na busca pela felicidade.
Luz do inverno - a alegria e aconchego em lugares improváveis.


9) Você tem algum autor que ame muito? (se a resposta for sim, os leitores fãs de ''Cores de Outono'' podem gostar dele facilmente?) 

Acho que a percepção da leitura é muito pessoal... Gosto muito do José de Alencar em “Cinco minutos”, este pequeno livrinho é perfeito! ( mas muitos não gostam dos escritores clássicos, então...)

Sou muito fã da Colleen Rouck, de “A viagem do Tigre” e suas sequências.... Ahhhh amo meus tigres (risos), (e recomendo para quem gosta de fantasia)

E, claro, Jane Austen em “Orgulho e preconceito”... ahhhh gente, a mulher é um gênio e Mr Darcy é o primeiro bad boy de todos os tempos!!! Ahahhahah (sério, muita gente se irrita com linguajar de época, mas deveriam tentar... uma dica? Vejam o filme com Matthew e Keira de 2001, ahhhhh)

Adoro o Arthur Conan Doyle em Sherlock Holmes... incrível a mente desse homem! ( o Holmes é um personagem incrível)

Hiiii.... eu ficaria horas aqui....

10) O quanto do que Keila Gon vê no mundo te influenciou e influencia na hora de escrever? O que você mudaria na nossa sociedade e o que você acha que deveria existir apenas na ficção?

100%. Tudo que vejo, sinto e acredito de alguma forma está no livro... em breve , nos livros.

Incluiria uma dose cavalar de tolerância no coração de cada ser humano. E desejo de todo coração que a injustiça seja apenas pimenta para enredo dos livros.


Uau, me diverti muito Allison!!! Adorei a originalidade de cada uma delas, muito obrigada.

Beijos queridos,

Keila Gon.  

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Conheça o(a) autor(a): Bruno Nobru

  

Artista independente nascido em são paulo (sp), experimenta o conceito de arte com linguagens, meios e instrumentos, seguindo a margem do mercado cultural e do eruditismo, entre sonoridades e palavras estimulando outras possibilidades de arte e de vida.

criou o projeto leite c (1999) onde usava diferentes afinações de guitarra e sonoridades improvisadas / fez parte da banda três guitarras (2000) com experimentações e ruídos / desenvolveu o projeto multi-artístico testeste (2001), que consistia em colagens sonoras com linguagem conceitual; e o estestes (2002) de música minimalista por computador

mudou-se para pouso alegre (mg), onde tocou no tresêus (2005), trio de experimentação musical com poemas e improvisações sonoras, partindo da desconstrução de textos para reconstruí-los em músicas / publicou os livretos lembranças de quando éramos da água (2006), de enquanto para talvez (2006) e não sou você (2007)

idealizou o grupo rizomáticos (2007), com performances poético-musicais com referências de música mineira e experimental / publicou os livretos tre-chos (2008), pós guerra, em guerra (2009), riscos (2010), novelho (2011), e o mais recente cada vez mais menos (2012), que teve a colaboração de artistas amigos na ilustração

participou de publicações coletivas, como o livro Mandu sem Fronteiras (2010) que reuniu a cena literária e plástica de Pouso Alegre (MG) e o fanzine OrFEL #01 (2011), publicado pelo Fora do Eixo Letras (FEL) / teve um livro traduzido para o esperanto, pela associação esperantista de pouso alegre (MG), novmalnova (2012)

criou sonoridadades em conjunto com outros artistas, tais como Ácido Francis, grupo Latropa, George Christian, Laís de Andrade, Sandro Nogueira, Pedro Palhares, Alessandro Andrade, entre outros / uma de suas criações sonoras foi usada num vídeo do Rafael Brandão e teve um de seu texto musicado por Erick Trip

também participou da sonorização da teleperformace BOOT - ciberdigital, corpo, interação (2010) / participou com duas faixas no disco Some Instrumental Pieces for Guitar & Other Instruments (2012), do músico experimentalista George Christian / fez a compilação e editou o livro ex-certos (2012) da escritora Bibiana Veronica

publica sua produção de forma independente e disponibiliza todo seu material para visualização online e com download livre. compreende a arte como uma possibilidade de novos olhares, questionamento e emancipação, no caminho para a liberdade e autonomia

apresentações/exposições recentes

-Lançamento do livreto “cada vez mais menos”, Poços de Caldas-MG (2013)
-Homenagem ao Itamar Assumpção, Pouso Alegre-MG (2012)
-Apresentação musical na “Festa do Coletivo Estúdio”, Pouso Alegre-MG (2012)
-Improvisos poéticos no “1º Festival de Poesia do SENAC”, Pouso Alegre-MG (2012)
-Participação de “Varais da Arte”, Poços de Caldas-MG (2011)
-Improvisos musicais na “3# Dis Experimental”, São Paulo-SP (2011)
-Apresentação na “Quinta Musical”, Conservatório de Pouso Alegre-MG (2011)
-Entrevista para o “Coletivo Corrente Cultural”, Poços de Caldas - MG (2011)
-Apresentação musical - improvisos coletivos no “Tapas Club”, São Paulo - SP (2011)

participações

-Participação no disco “Some Instrumental Pieces (...)” do compositor George Christian (2012)
-Edição do livro “ex-certos” de Bibiana Veronica (2012)
-Prefácio do livro “Primeiras Palavras” do Rafael Brandão (2011)
-Fanzine “OrFEL #01”, publicado pela Fora do Eixo Letras (2011)
-Livro “Mandu Sem Fronteiras – Cena literária alternativa de Pouso Alegre” (2010)
-Sonorização do projeto “BOOT - ciberdigital, corpo, interação” da Vládia Queiroz (2010)

Confira capa e sinopse da obra: 




Sinopse: o livreto cada vez mais menos é uma coleção de pequenezas, escrito por bruno nobru durante o período de 2012, com ilustrações de artistas convidados pelo autor.
em suas páginas, sintetiza de maneira sutil com poucas palavras reflexões sobre a existência, as experiências e mutações que ocorrem no ser, as diferentes percepções sobre as coisas e a possibilidade de ir além de si.

a capa foi feita por lara marx, e as ilustrações internas por diego nogueira, bruno nobru, luis augusto nunes, rogério olivieri, tiago spina, débora lemos, laís de andrade, gustavo daher, roney lacerda, sérgio macedo, rafael brandão.

link para leitura online e/ou download: 

mais informações / contato: 

(35) 8842-6280

Já li/vi e adorei a obra de Bruno! É recheado de mensagens nas entrelinhas, é filosófico. 

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Resenha: Felicidade se Constrói em Doses Homeopáticas - Carminha Morais


Sinopse: Essa é a história de Júlia que aproveita a oportunidade de se dar bem na vida.Se esconde no bagageiro do carro de Sérgio e foge para o Rio de Janeiro.Sérgio se apaixona por Júlia mas a perde para o seu melhor amigo, por esse ser mais rico e por estar passando por problemas familiares desde que abandonara a sua família vivia muito triste, e Sérgio deixa o caminho livre. Sérgio Vai morar em Portugal onde conhece Magda, uma cantora de fado e para esquecer o seu amor, se casa com ela. Mas a vida lhe traz uma grande surpresa,tristezas e também alegrias.No início dessa história o leitor conhecerá Carlos que se apaixonará por Marta, filha de Eduardo e Júlia a protagonista dessa História.No decorrer destas páginas o leitor estará sempre em contato com aquilo que eu debato com insistência.A destruição do planeta,o cigarro, a bebida,a doação de medula óssea e a família, seus valores morais e éticos e a família que deve ser construída sobre a rocha que é a palavra de Deus, pois se construirmos a nossa casa na areia corremos o risco que ela seja levada pelo vento.. 

Encontros e desencontros super bem trabalhados em uma obra curta e simples.  

Carminha Morais explora os sentimentos humanos e as relações a que nós estamos submetidos de maneira tão natural que as páginas passam sem ser percebidas e você logo chega ao final da leitura. 

Conhecemos ao decorrer da narrativa, vários personagens e suas estórias de vida, na maioria das vezes não tão fáceis. Acontecem vários desencontros e separações e a autora trabalha em cima do drama familiar envolvendo questões como cigarro, meio ambiente, bebidas, doenças, traições, pobreza, classes sociais, faculdade...

Clarice foi abandonada por seu grande amor Eduardo e precisou criar sozinha seu filho Carlinhos que cresceu precisando de uma presença paterna. Julia se deixou convencer pela futilidade e abandonou seu amor Sérgio para viver com alguém quem não tinha muito em comum. Do fruto desse relacionamento nasceu Marta que conhece Carlinhos num desses encontros que a vida prepara, mas segredos do passado vão acabar com as esperanças de viver uma vida normal. 

Entre idas e vindas, amizades e corações partidos, a vida de todos vão se cruzando novamente fazendo desenterrar segredos e sentimentos que ficaram guardados desde muito tempo. 

Encontramos também no decorrer da leitura, várias informações importantes sobre o meio ambiente ou sobre doenças. Um livro cheio de lições e cheio de amor. Carminha escreve de maneira muito natural e mal posso esperar para ler outros trabalhos da autora. 3 estrelas

Adicione a sua estante: Skoob 

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Resenha: O Voo de Icarus - Estevan Lutz

 

Sinopse: Num futuro próximo, na cidade marítima de Agartha, a vida do jovem Icarus oscila entre dois vícios: a realidade virtual e uma droga alucinógena denominada nirvana. Em busca de tratamento médico, ele acaba se tornando voluntário para a experimentação de um avançado medicamento baseado na nanotecnologia, o Sinaptek, o qual, posteriormente, lhe causa uma extraordinária reação adversa: a projeção de sua consciência, o que lhe permite viajar por diversos lugares do planeta e para outros mundos, empreendendo uma jornada do centro do universo ao centro da inconsciência humana. Estaria tudo, apenas, na mente de Icarus?

''Estamos onde nossa mente está!'' Pág. 152

Tenho medo do dia em que a tecnologia nos controlará. Foi isso o que eu pensei ao ler esse livro. ''O Voo de Icarus'' se passa no futuro (mais precisamente no ano de 2070) quando a tecnologia que nós temos hoje é rala em comparação. Icarus é um jovem que foi contratada para trabalhar em Agharta, fazendo o que ele mais gosta: mexendo com jogos e tecnologia. 

Icarus fica preso em seu mundinho virtual, mal sai de casa (apenas para o trabalho) as amizades estão sendo deixadas de lado e a tecnologia o domina. É quando ele percebe que sua vida está sendo muito artificial e que uma depressão por meio dos fatores externos está se instalando em seu corpo, é que ele procura ajuda. 

''Contudo, eu já tinha minha programação de entretenimento: o admirável mundo virtual, mais fácil de administrar do que nosso mundo do dia a dia.'' Pág. 16

A única coisa que o faz sair da realidade virtual é uma droga chamada Nirvana que funciona como uma espécie de reiniciador para o cérebro mas nem isso é suficiente. 
Quando Icarus resolve procurar ajuda, um novo medicamento formado pela nanotecnologia lhe é apresentado e depois que Icarus resolve aceitar a medicação em seu corpo, sua vida muda radicalmente. 

''O indivíduo voltou-se para mim e então me vi diante de um espelho. Ele era literalmente eu, com exceção dos olhos que tinham uma coloração escura que refletia todos os medos que poderiam afligir um ser humano'' Pág. 35

Estevan escreve muito bem, ele tem uma escrita muito poética e nos vemos inseridos no mundo tecnológico que ele cria para Icarus. Numa ficção científica que beira a mais pura realidade futurística. O livro tem um quê de distopia, e as situações e sensações são tão bem descritas que sentimos em nós mesmos. Recomendo demais!!! 4 estrelas.

Adicione a sua estante: Skoob

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Andross Editora prorroga prazo de recebimento de contos, crônicas e poemas para coletâneas literárias


A Andross Editora, atendendo a pedidos de vários escritores, prorrogou  para 31 de maio a data limite para submissão de textos para avaliação e possível publicação em diversas coletâneas literárias, a serem lançadas na 3ª edição do evento Livros em Pauta, que acontecerá em 19 de outubro de 2013, em São Paulo. Qualquer pessoa pode escrever um texto e enviá-lo para avaliação, para tanto, deve acessar o site da editora: www.andross.com.br


Veja abaixo as atuais seleções:

AMORES (IM)POSSÍVEIS
CONTOS DE AMOR
ORGANIZAÇÃO:  Leandro Schulai
SINOPSE: Todos procuram um amor. Todos mesmo. Até os vilões, afinal, não existe amor ruim. Mas será que todos os amores são possíveis? Amores (im)possíveis traz a essência do amor em diversos contos, que retratam a alegria da conquista, o desespero da perda, o prazer em ser correspondido, a angústia em ser rejeitado... Afinal, existe sentimento mais controverso do que o amor?



MASCOTES
CONTOS SOBRE CÃES, GATOS E OUTROS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO
ORGANIZAÇÃO:  Walter Tierno
SINOPSE: Faz pouco mais de dez mil anos que algum sujeito olhou para um lobo cinzento e pensou que seria uma boa ideia fazer amizade. Passou mais um tempinho e um outro pensou o mesmo ao ver um felino selvagem. Os anos foram se passando e a ideia se repetiu ao redor do mundo, com animais diferentes. Hoje, convivemos, protegemos e amamos esses camaradas como se fossem membros legítimos de nossas famílias. E quem pode dizer que não o são? Mascotes reúne contos ora engraçados, ora tristes, mas sempre emocionantes sobre esses milenares companheiros, quer estejam cobertos por pelos, escamas ou penas.

LIVRE PARA VOAR
CONTOS E CRÔNICAS COM TEMÁTICA LIVRE
ORGANIZAÇÃO:  Helena Gomes
SINOPSE: Escrever é soltar as amarras que prendem a criatividade. Palavras escritas em uma folha de papel tornam-se cada vez mais leves e flutuam até ganharem o céu, rumo ao infinito. E aqueles que têm a ousadia de compor histórias com a liberdade que a literatura lhes permite nunca terão suas mentes encarceradas. Serão sempre livres para voar.



MENTES INQUIETAS
CONTOS SOBRENATURAIS, DE SUSPENSE E DE TERROR
ORGANIZAÇÃO:  Alfer Medeiros
SINOPSE: Mary Shelley tinha pesadelos com a ideia de ressuscitar mortos... Lovecraft sentia-se perseguido por entidades anti-humanas... Edgar Allan Poe era fascinado por felinos e pássaros negros... As melhores histórias sobrenaturais, de suspense e de terror de todos os tempos surgiram das mentes mais inquietas que a literatura universal já conheceu. Agora, uma nova safra de escritores impõe ao papel toda a angústia de suas mentes, em tramas que mesclam o fantástico à loucura, o possível ao inimaginável, a penumbra ao medo... Se é horror que você procura, veio ao lugar certo: o subconsciente humano.

SONHOS LÚCIDOS
CONTOS FANTÁSTICOS
ORGANIZAÇÃO:  Alex Mir
SINOPSE:  De onde tiram as ideias para suas obras os escritores de fantasia, horror e ficção científica? Têm eles mentes criativas ou simplesmente sonham acordados? Nas páginas deste livro, o inimaginável ganha formas insólitas, capazes de maravilhar até mesmo o leitor mais incrédulo.”.





O SEGREDO DA CRISÁLIDA
VOLUME III - ANTOLOGIA DE POEMAS
ORGANIZAÇÃO: Guaraciaba Micheletti
SINOPSE: A influência que cada palavra exerce no fazer poético é a chave para o alcance do sentimento. A cadência de sons envolve, transforma, intensifica. Traz para fora o íntimo individual. E é aí que o segredo se revela.





BOLEIROS
CONTOS SOBRE FUTEBOL
ORGANIZAÇÃO:  Alex Mir
SINOPSE: E a partida tem início! Uma seleção brasileira de escritores entra em campo para contar ao leitor tudo o que acontece dentro das quatro linhas e fora delas. Times campeões, grandes fracassos, artilheiros intrépidos, grandes viradas e jogos emocionantes. Lute por seu ingresso e garanta seu lugar, pois, como dito pelo radialista Benjamin Wright, “o futebol é uma caixinha de surpresas”.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Leituras de Março (2013)

E vamos conferir o que eu li em Março de 2013? (Sim, super atrasado). Muitas coisas boas, muitos favoritados. Take a look:


- A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak

Confesso que quando um livro é super bem falado (super mesmo, tipo a nível mundial) eu começo a leitura com um pé atrás, porque geralmente eu me decepciono esperando uma leitura sensacional. A Menina que Roubava Livros não entrou na lista de decepções! Gosto de tudo que seja ligado ao Nazismo (não do Nazismo em si (obviamente) mas da maneira que um homem conseguiu influenciar uma nação) e o livro de Markus mostra isso de uma maneira inocente. Me fez lembrar O Menino do Pijama Listrado (outro que amo) mas é claro que não podemos comparar as duas obras. A inocência de uma menina que se apaixona fraternalmente por um judeu nos faz embarcar numa estória de amor e nos faz repudiar ainda mais a raça humana. E o pensamento que fica em todos os leitores após ler ''A Menina que Roubava Livros'': a que ponto chegou a humanidade? 

- O Lado Bom da Vida - Matthew Quick

Sabe quando você pretende ler um livro já pensando na sua adaptação? Esse foi o caso. Amo a Jennifer Lawrence e isso já seria motivos suficientes para eu ler o livro que daria origem ao filme com a mesma, mas não foi só isso! A gama de elogios que ''O Lado Bom da Vida'' vinha levando deixa qualquer leitor curioso. Foi um romance totalmente diferente do qual estou acostumado. Pat acaba de sair de uma clínica de reabilitação por um motivo misterioso. Sua vida mudou completamente e... Confira a resenha (do livro e do filme) clicando aqui. 

- Amigos Inimigos - Vanessa Martinelli

Um livro nacional super fofo que conta a estória de Maria e Jack que costumavam ser super amigos, mas o tempo tirou isso deles. É uma leitura bastante juvenil, se passa no colégio e é bastante divertida! Confira a resenha clicando aqui

- Pacto Secreto - Eliane Quintella

Mais um livro nacional e que livro ein! Amei Pacto Secreto e quem conferiu minha resenha sabe muito bem disso! Um livro que mistura religião, família, amor, falsidade, inveja, mistério... Valentina pode ter o que quer, mas isso pode custar muito alto para ela e um pacto lhe é proposto. Se assinar, quais as consequências? Confira resenha aqui

- Cores de Outono - Keila Gon

Como não amar o ''Cores''? Apesar de depois da leitura você ficar desejando um lugar bucólico com luzes naturais e uma panela de brigadeiro para dividir com que você ama, o livro vale muito a pena de ser lido. Melissa não teve muita sorte na vida. Não conheceu o pai e sua mãe acaba de falecer em um acidente de carro. Desamparada e tendo que dividir seu ampara com sua irmã Alice, Mel encontra em um novo lugar uma nova vida. Confira a resenha desse querido, aqui

- O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde

Não é a toa que Oscar é considerado um gênio (e o Oscar de melhor escritor vai para... parei). Modelando toda a beleza do mundo em um único ser, sr. Wilde nos apresenta Dorian Gray, que antes jovem, belo e inocente é corrompido pela sociedade e tem sua juventude preservada por um pacto com uma tela de pintura. Minha modesta resenha encontra-se aqui

- O Lago dos Cisnes - Tchaikovsky

Tem como não se apaixonar pela estória por trás do balé de Tchaikovsky? Odete a linda moça amaldiçoada e condenada a viver como cisne metade do seu dia para o resto de sua vida. Só o verdadeiro amor a salvará. Forças do mal vão fazer de tudo para que isso não aconteça... 

- Graphic Novel (ou HQ) de A Guerra dos Tronos - George R. R. Martin

A Graphic Novel brilhante de um livro brilhante (lido e resenhado por mim em Janeiro). Não tem muito o que falar... as ilustrações feitas para a primeira metade dessa obra prima de George R. R. Martin são belas e fãs da série não deveriam deixar de conferir. 

- Amor, Maybe - Francine Cruz

Um romance romântico em que o que dizem sobre amor se torna verdade: ''Se duas pessoas nasceram para ficar juntas, eventualmente elas se reencontrarão em alguma parte da vida''. Josie e Matt lutam contra tudo e todos (inclusive contra a vida) para ficarem juntos. É uma estória de amor, mas acima de tudo... de superação. Resenha aqui

- A Resposta e o Vento - Ricardo Thomé 

Um tapa na cara da sociedade, onde Ricardo nos mostra diferente esteriótipos e seus diferentes conflitos em busca de um final feliz (se é que isso existe). Vemos a vida de nossos (muitos) personagens se cruzarem um um episódio que mudou de uma forma ou de outra a vida de todos. A partir daí, uma frase que de diversas maneiras chegam aos olhares de todos os fazem refletir sobre suas vidas e quer mudá-las. Resenha aqui

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Conheça o(a) autor(a): Salustiano Luiz de Souza


Salustiano Luiz de Souza nasceu em Itajaí-SC, radicando-se desde criança na cidade de Joinville-SC, onde reside atualmente. Leitor assíduo desde a tenra idade, possui formação acadêmica em Economia e Direito, com especialização nas áreas de Economia Industrial, Direito Empresarial e Direito Previdenciário. Com atuação profissional em diversas empresas, foi também professor universitário durante vários anos, lecionando nas áreas de Economia, Administração e Direito.
Publicou diversos contos e artigos em jornais e periódicos. Atualmente exerce a profissão de advogado, tendo sido o fundador e hoje é sócio do escritório de advocacia Souza Postai Advogados Associados na cidade de Joinville-SC.
Em razão de gostar muito de literatura, tinha como projeto de vida começar a escrever livros, objetivo este que pôs em prática a partir de 2012, não pretendendo mais parar com este “vício”.
Contato: salustiano@souzapostai.com.br

Confira capa e sinopse da obra: 

O Eterno Barnes - Salustiano Luiz de Souza: 

 

Sinopse: Doutor Barnes, um famoso neurocirurgião, começa a desenvolver na Universidade onde trabalha uma pesquisa científica tentando transformar os dados do cérebro em arquivos de dados, codificando-os de modo que possam ser copiados. Com o avanço da pesquisa, acaba conseguindo copiar para o computador todos os dados de memória que formam o ser humano, como suas experiências, suas emoções, suas recordações, enfim, sua vida. Deslumbrado com a descoberta, começa a perceber que estes arquivos possuem uma estrutura totalmente diferente e uma sinfonia divina, e começa a ficar obcecado pela ideia de que seja possível copiar cérebros de um paciente para outro. Ao contrário do que deveria ocorrer, Barnes, cada vez mais, esconde suas pesquisas, pois seu objetivo passa a ser implantar seu próprio cérebro em outro paciente, mais jovem e sadio, pois está acometido de uma séria doença. Busca, desta forma, alcançar a tão almejada eternidade. Para isto, não mede as consequências de seus atos, que passam a ser justificados pela ambição que lhe domina. Conseguirá Barnes o seu intento?

Para cada 100 pessoas que curtirem nossa página no facebook ou compartilharem o booktrailer o autor doará um livro para a biblioteca de uma escola! 

Compre: Novo Século 
Confira o 1º Capitulo